EUA formalmente pedem à Alemanha para ‘ajudar a garantir’ o estreito de Ormuz

Fragata alemã Brandenburg

Os EUA querem que a Alemanha participe de uma missão naval europeia, proposta pelo Reino Unido, para proteger os navios que navegam perto do Irã. Os políticos alemães ficaram menos que emocionados com a iniciativa, que visa “combater a agressão iraniana”.

Os Estados Unidos pediram oficialmente à Alemanha que participe de uma missão naval europeia para proteger os navios no Estreito de Ormuz, informou na terça-feira a embaixada norte-americana em Berlim.

Mais cedo, a porta-voz da embaixada Tamara Sternberg-Greller falou à agência de notícias DPA sobre o pedido. A embaixada confirmou as declarações à DW.

“Pedimos formalmente à Alemanha que se unisse à França e ao Reino Unido para ajudar a proteger o Estreito de Ormuz e combater a agressão iraniana”, disse ela.

“Os membros do governo alemão têm sido claros que a liberdade de navegação deve ser protegida”, disse Sternberg-Greller. “Nossa pergunta é protegida por quem?”

‘De repente’ parte de uma guerra

De acordo com a agência de notícias DPA, o pedido havia sido enviado a Berlim há alguns dias, mas não conseguiu impressionar o governo alemão. Berlim ainda não havia planejado “qualquer contribuição” para uma missão liderada pelos Estados Unidos, informou nesta terça-feira o Ministério das Relações Exteriores da Alemanha.

O ministro de Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, declarou repetidamente que a Alemanha vê como prioridade os “desarmamentos e esforços diplomáticos”. “Participar da estratégia americana de pressão máxima está fora de questão”, disse ele à agência de notícias AFP.

Legisladores seniores tanto do partido do CDE quanto do partido da Angela Merkel também rejeitaram a ideia.

O legislador do SPD encarregado da política externa Nils Schmid também criticou a iniciativa em uma declaração à emissora pública alemã ARD. Se a Alemanha aderisse à missão, “de repente você estaria tomando partido dos americanos em uma guerra contra o Irã”.

Uma resposta europeia

O chefe do Comitê de Política Externa do Bundestag, o conservador Norbert Röttgen, disse que a crise exigia uma resposta europeia. “Não podemos ter uma missão conjunta com os EUA neste momento, porque os europeus estão adotando uma política completamente diferente em relação ao Irã”, disse Röttgen.

Separadamente, o porta-voz da política externa do grupo parlamentar CDU/CSU da chanceler alemã Angela Merkel disse à DW que era cedo demais para avaliar se a Alemanha deveria participar.

“Só gostaria de julgar essa operação depois que mais detalhes forem apresentados”, disse Jürgen Hardt. Ele acrescentou que as forças armadas alemãs estariam “preparadas” para fazer uma contribuição “positiva” caso o governo optasse por participar da força. ”

O vice-chanceler alemão e ministro das Finanças, Olaf Scholz, disse na quarta-feira que o risco de ser arrastado para um conflito maior é grande demais. “É por isso que acho que isso não é uma boa ideia”, disse ele à emissora pública ZDF.

Transporte inseguro

Na semana passada, o Reino Unido propôs a força liderada pela Europa para proteger o transporte marítimo no Golfo em resposta à apreensão pelo Irã do petroleiro Stena Impero, com bandeira do Reino Unido, em 19 de julho.

França, Dinamarca, Polônia, Portugal, Espanha e Suécia estão supostamente interessados ​​na missão.

A apreensão do Stena Impero ocorreu duas semanas depois de o Reino Unido ter detido um super petroleiro iraniano perto de Gibraltar por supostamente transportar petróleo para a Síria, em violação das sanções da UE.

A disputa entre petroleiros britânicos e iranianos ocorre em meio a crescentes tensões entre o Irã e a Europa por causa de uma série de ataques com petroleiros e a decisão do Irã de abandonar partes de um acordo de 2015 que restringiu seu programa nuclear.

As relações entre os Estados Unidos e o Irã também pioraram. Ambos os países afirmam ter derrubado drones pertencentes ao outro estado nas últimas semanas.

O Estreito de Ormuz é uma das rotas marítimas mais importantes do mundo. Quase um terço de todas as exportações de petróleo passam pela hidrovia, localizada entre o Irã e Omã.

FONTE: Deutsche Welle via Poder Naval

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DESTAQUE

Primeiro caça Gripen da FAB já está a caminho do Brasil

Primeiro Gripen E da Força Aérea Brasileira – Foto: Saab O primeiro caça F-39 Gripen E brasileiro já deixou a Suécia a bordo de um navio mer...