Reino Unido vai desenvolver aeronaves não tripuladas conceituais para a RAF

O Lightweight Affordable Novel Combat Aircraft – LANCA para a Royal Air Force se parece muito com o conceito de “leal wingman” que está sendo investigado pela Força Aérea dos EUA, e os “remote carriers” que a Airbus e a Dassault imaginam para o projeto conjunto FCAS

Um novo projeto para desenvolver uma nova aeronave de combate não tripulada foi anunciado pelo RAF Rapid Capabilities Office (RCO) e pelo Defence Science and Technology Laboratory (Dstl).

O conceito Lightweight Affordable Novel Combat Aircraft (LANCA) procura oferecer capacidade adicional, juntamente com jatos de combate como o F-35 e o Typhoon – oferecendo maior proteção, capacidade de sobrevivência e informações para aeronaves tripuladas – e pode até fornecer uma frota de combate aéreo não tripulado’ no futuro.


Especificamente, em uma ruptura com as abordagens tradicionais para sistemas de combate aéreo no Reino Unido, o inovador conceito LANCA visa proporcionar reduções drásticas no cronograma tradicional de custo e desenvolvimento.

Sob o LANCA, um projeto demonstrador de tecnologia conhecido como “Mosquito” concedeu contratos para a Fase 1 do trabalho, que produzirá um projeto preliminar do sistema para um veículo aéreo não tripulado e avaliação das principais áreas de risco e trade-offs de capacidade/custo para um conceito operacional. O primeiro teste de voo do veículo aéreo demonstrador poderia ocorrer em 2022.

A Fase 1 incluirá a exploração de novos projetos, desenvolvimento, prototipagem, fabricação e suporte, para permitir o rápido desenvolvimento e a evolução de baixo custo de um futuro sistema aéreo de combate não tripulado. O Dstl, que fornece ciência e tecnologia para a defesa e segurança do Reino Unido, está fornecendo a supervisão técnica, gerenciamento de projetos e parceria para o Projeto Mosquito.

Para a Fase 1, foram adjudicados contratos a três equipes lideradas pela Blue Bear Systems Research Ltd, pela Boeing Defence UK Ltd e pela Callen-Lenz (cuja equipe BLACKDAWN associou-se à Bombardier Belfast e à Northrop Grumman UK Ltd).

O conceito LANCA teve origem nos estudos de 2015 do Dstl para compreender tecnologias e conceitos inovadores de Combate Aéreo que possam oferecer reduções radicais de custo e tempo de desenvolvimento. Posteriormente, o LANCA foi incluído no RAF RCO como parte da Iniciativa de Tecnologia do Sistema de Combate Aéreo do Futuro (FCAS TI). O LANCA visa explorar a utilidade e a viabilidade de auxiliares de capacidade não-tripulados para aeronaves de caça existentes e futuras, especificamente aquelas que oferecem reduções substanciais nos prazos tradicionais de custo e desenvolvimento.

O Projeto Mosquito tem duas fases planejadas. Após a Fase 1 de 12 meses, a Fase 2 selecionará até duas das soluções da Fase 1 para amadurecer ainda mais os projetos, concluir a fabricação do demonstrador de tecnologia e concluir com um programa de teste de voo limitado.

O RAF RCO, em parceria com o Dstl, está adotando abordagens criativas para entregar este projeto desafiador. Por exemplo, ao conduzir uma competição para acessar “best of breed”, ele permitiu que fornecedores não tradicionais propusessem sua abordagem para atender aos ambiciosos objetivos do MOD. Além disso, os especialistas no assunto dentro do MOD são designados como parceiros técnicos para cada equipe, apoiando o setor com conselhos e decisões técnicas e operacionais. Isso aumentará a oportunidade desse conceito revolucionário em uma abordagem coerente para os futuros sistemas de combate aéreo.

FONTE: UK MoD Defence Science and Technology Laboratory via Poder Aéreo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DESTAQUE

Primeiro caça Gripen da FAB já está a caminho do Brasil

Primeiro Gripen E da Força Aérea Brasileira – Foto: Saab O primeiro caça F-39 Gripen E brasileiro já deixou a Suécia a bordo de um navio mer...