Publicidade

20 junho 2022

Projeto COBRA: Armamento do EB também está sendo modernizado

Fuzil de Assalto IMBEL 5,56 mm IA2

Brasília (DF) - O armamento é talvez o principal item de combate de qualquer militar ou integrante de força de segurança pública. Atento a isso o Exército Brasileiro desenvolveu, por meio da Indústria de Material Bélico do Brasil (IMBEL), um novo fuzil de assalto para suas tropas: o IA2. Esse armamento, que visa suceder o aclamado Fuzil Automático Leve (FAL), destaca-se por ser menos pesado, mais ergonômico e modular, visto que pesa 3,4 Kg e possui coronha rebatível, além de medir aproximadamente 85 cm e trilho Picatinny. Esse Fuzil pode ser encontrado nas versões calibre 5,56 ou 7,62mm.

No que tange ao tiro preciso e seletivo, desde a década de 2000, o Exército Brasileiro, por meio da IMBEL, concebeu seu primeiro fuzil SNIPER o AGLC. Este armamento é uma arma eficaz, pois adequa-se à realidade brasileira. Seu calibre é 7.62x51mm NATO e o seu ferrolho é manual do tipo Mauser. O projeto COBRA prevê sua substituição por um modelo que ofereça automatismo, como Colt M-110.

Fuzil Sniper Colt M-110

Já as metralhadoras são armas que imprimem sobre o inimigo grande volume de fogo. Atualmente o Exército Brasileiro tem, basicamente, 3 armas dessa natureza: a Metralhadora .50 M2, a Metralhadora MAG (Machine Automatic Gun) e o FAP (Fuzil Automático Pesado).

Mesmo sendo “honrosos veteranos”, uma vez que estão atendendo às demandas do Exército há muitos anos, as metralhadoras em questão estão em processo de substituição, visto que o Projeto COBRA prevê a modernização desses meios. Assim, após alguns testes com a metralhadora belga MINIMI, a mesma foi aprovada e padronizada como um armamento do Exército. Logo, essas metralhadoras já estão sendo recebidas por boa parte da tropa e irão substituir os supracitados FAPs.

Metralhadora Mini Mitrailleuse (Mtr MINIMI)

Pistolas, facas e facões



As pistolas e demais armas curtas congêneres são itens imprescindíveis aos melhores combatentes. Via de regra servem como “Back Up”, ou seja, são armas que visam substituir o armamento principal quando estes se tornam inoperantes. Assim, e diante do destaque desse tipo de armamento, o Exército Brasileiro pretende retirar de uso suas atuais pistolas IMBEL e Beretta dos modelos “GC MD1” e “92”, respectivamente, para dar espaço uma moderna pistola para uso militar.

As pistolas IMBEL 9mm modelo GC MD1 serão retiradas de uso 

As facas ou facões de combate são instrumentos que, via de regra, servem para realizar cortes ou impactos em uma situação de conflito ou sobrevivência. Logo, podem ser usadas para diversos fins, como lutar contra um inimigo em ambientes confinados ou caçar uma presa diante da falta de alimentos, por exemplo.

Facas IMBEL FC IA2 e FC AMZ

Normalmente os facões são usados por tropas que atuam em biomas mais densos como o do Pantanal e o da Amazônia. No intuito de substituir as antigas facas MK2 utilizadas pelo Exército, foram concebidas pela IMBEL as facas FC IA2 e a FC AMZ. A FC IA2 pode servir de baioneta para o Fuzil IA2 e a AMZ, por ter um tamanho mais avantajado, tem a finalidade de ser também um facão de menor porte.

FONTE: COTER

Nenhum comentário:

Postar um comentário