29 outubro 2021

VBC Cav – LAV 700 Assault Gun, uma opção moderna


Por Paulo Roberto Bastos Jr.*

Um importante e pouco conhecido (no Brasil) candidato para o projeto da viatura blindada de combate de Cavalaria (VBC Cav), do Exército Brasileiro (EB).

Descendente de uma das mais bem sucedidas linhagens de veículos blindados multifuncionais sobre rodas do ocidente, o suíço Piranha, a viatura LAV 700 foi desenvolvida em 2013, a partir de décadas da experiência em projetos e na fabricação da família LAV, especificamente para atender aos requisitos emergentes de uma década de operações no Afeganistão e no Iraque.

Está dotado de um motor Caterpillar C13, de 711 HP, combinado à transmissão Allison 2800, automática e de sete velocidades, uma suspensão hidropneumática totalmente independente e ajustável, permitindo que a altura do casco (em duplo-V) em relação ao solo seja controlada pelo condutor, freio a disco nas oito rodas e um sistema de resfriamento projetado para operação contínua nos climas mais extremos. Todo esse sistema é integrado em uma única unidade, permitindo sua substituição em menos de uma hora, mesmo no campo de batalha.

Pode chegar a uma velocidade de até 110 km/h (em estrada), acelerar de zero a 80 km/h em cerca de 20 segundos, superar obstáculos frontais de 60º e laterais de 30º, tem autonomia superior a 1.000 quilômetros, com uma carga útil (“payload”) de 11 toneladas, e uma grande variedade de versões, incluindo transporte de pessoal, comando e controle, porta-morteiro, reconhecimento e vigilância, ambulância, reparo e recuperação e apoio de fogo, podendo receber torres de 30, 90 e 105mm.

O protótipo do LAV 700, versão equipada com um canhão de 30mm, foi apresentado na feira Eurosatory de 2014 (Foto: Paulo Bastos)

O veículo despertou o interesse de diversos países e, em fevereiro de 2014, o governo da Arábia Saudita assinou um grande contrato para aquisição de LAV 700, incluindo suporte logístico integrado (SLI), reparo e treinamento de pessoal. Conforme divulgado pelos sauditas, este contrato contemplou a aquisição de 742 veículos, sendo 119 com canhão de 105mm, a serem entregues ao longo de uma década, o que garante sua linha de produção por um bom tempo e as primeiras unidades entraram em operação este ano.

A General Dynamics Land Systems e a John Cockerill Defense estão oferecendo ao projeto da nova VBC Cav, que está sendo executada pela Diretoria de Material (DMat), órgão subordinado ao Comando Logístico, a versão denominada LAV 700 Assault Gun (AG).

Está equipado com a torre John Cockerill 3105, para dois ocupantes e intrusiva (com cesta interna), não impactando no centro de gravidade do veículo e mantendo sua estabilidade, armada com um canhão de 105mm, uma metralhadora 7,62x51mm coaxial e lançadores de granada fumígenas, podendo receber um sistema de armamento remotamente controlado (SARC).

A torre Cockerill 3105 esta em diversos sistemas de armas da atualidade, inclusive em muitos dos candidatos do VBC Cav (Foto: John Cockerill)

Seu canhão de alma raiada CT-CV 105HP (High Pressure), de 53 calibres, está em uso em diversos sistemas de armas pelo mundo e já foi provado em combate. É uma arma versátil que permite o apoio de fogo às tropas de Infantaria em uma pluralidade de situações e uma comprovada capacidade anticarro. Seu ângulo de elevação de 42° permite engajamento contra alvos em altas elevações como aqueles situados em topos de edifícios, eficientes em teatros de operação urbanos montanhosos, além de poder fornecer apoio de fogo à Infantaria em tiros indiretos.

A opção do calibre 105mm, em comparação ao 120mm do Centauro II, se deu, dentre outros fatores, em função de sua maior versatilidade, com o uso de munições alto explosivo (HE), anticarro (APFSDS, HEAT ou HESH) e especiais (canister, iluminadora ou de fumaça), atualmente a um custo de cerca de 1/3 do valor da munição de 120mm, o que é um grande atrativo para as forças armadas com baixos orçamentos disponíveis, além de contar com uma maior oferta no mercado internacional .

Seu desempenho é na função anticarro, dependendo da munição utilizada, é considerada mais que satisfatória, com capacidade de penetração de 560 a 600mm em aço balístico homogêneo, em disparos feitos a 2 km, dependendo da munição utilizada. Como utiliza estojo não inflamável, como os fabricados atualmente no Brasil, a transferência de tecnologia para a produção da munição em território brasileiro, conforme a intenção do EB, pela IMBEL ou EMGEPRON, se tonar muito mais factível.

O veículo transporta 40 projeteis, sendo 12 prontos para uso no carregador automático, do tipo carrossel, que podem ser de diferentes tipos e selecionadas pelo comandante, e mais 28 acondicionadas internamente, possuindo uma capacidade de disparo de até 12 tiros por minuto. O veículo também conta com um compartimento na parte traseira que permite o transporte de mais munição ou outros suprimentos.

Com o sistema de montagem no Regime CKD, o LAV 700 AG, da General Dynamics Canadá, poderá se beneficiar com o FMS (imagem: internet)

É equipado com sistemas optrônicos de última geração, podendo receber designadores laser, navegação tática por GPS, computador de batalha e periscópios de 360º, de uso diurno e noturno, que permitem ao comandante uma completa consciência situacional e suíte de comunicações compatíveis com o padrão em uso pelo EB.

O LAV 700 AG é um veículo extremamente versátil e moderno, já homologado e em linha de produção ativa, carregando em seu DNA toda a experiência de uma das plataformas de maior sucesso, sendo um forte candidato ao programa VBC Cav, que pode ser adquirido diretamente, como os outros concorrentes ou por um programa Governo a Governo, como o “foreign military sales” (FMS) do Governo dos EUA, que lhe dá mais vantagens. Ao mesmo tempo, pelo fato de sua produção estar em aberto, é uma das poucas fornecedoras que possuem condições de entregar prontamente as duas viaturas para testes, conforme previsto no cronograma divulgado pela DMat.

Concepção artistica da versão do LAV 700 AG do EB (Imagem: General Dynamics)

Veja a matéria completa na próxima edição da revista Tecnologia & Defesa

FONTE: Tecnologia & Defesa

*Sobre o Autor: Paulo Roberto Bastos Jr.
Engenheiro de automação e Pesquisador militar, especialista em blindados e forças motomecanizadas da América Latina e Caribe.

Nota do Defesa Brasil Notícias: Matéria reproduzida com autorização do autor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário