27 julho 2021

Rússia oferecerá o “Checkmate” no mercado internacional


Por Yuri Laskin

O 15º. Salão Internacional de Aviação e Espaço (MAKS-2021), que abriu suas portas no dia 20 de julho em Zhukovsky, próximo a Moscou, foi marcado pela sensacional apresentação do novo caça tático leve (LTS, na sigla em russo) russo, que recebeu o nome de “Checkmate”. A aeronave foi desenvolvida pela Sukhoi, agora uma subsidiária da United Aircraft Corporation (UAC), que por sua vez é parte da Rostec Corporation, que em 2018 assumiu a maior parte das ações da UAC. O jato monoturbina foi apresentado como uma plataforma de quinta geração orientada para a exportação.

A aeronave atraiu interesse internacional sem precedentes, em grande parte pela agressiva apresentação realizada pela Rostec, em moldes comuns no Ocidente, mas poucas vezes vistos na Rússia. No tempo da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, os produtos militares russos eram orientados ao mercado doméstico, para serviço nas Forças Armadas da URSS. Posteriormente, porém, adotaram uma “imagem de exportação”, para facilitar as vendas internacionais. A única exceção a esse padrão que vem à mente do autor foi o sistema Pantsir, desenvolvido pelo Escritório de Projetos Shipunov KBP (atualmente uma subsidiária da “holding” High Precision Weapons) sob contrato dos Emirados Árabes Unidos, no valor de US$760 milhões. Atualmente, os sistemas da família Pantsir estão em serviço com o Exército e a Marinha da Rússia e foram comercializados internacionalmente, mas seu usuário inicial foram as Forças Armadas dos Emirados Árabes Unidos.




Graças ao uso do sistema de projeto digital, o “Checkmate” foi desenvolvido pela Sukhoi em menos de quatro anos, tornando-se uma plataforma de combate de quinta geração. De acordo com a última entrevista de Sergey Chezemov, CEO da Rostec, a aeronave foi projetada para combinar tecnologia furtiva com elevado desempenho. “O avião é equipado com aviônicos avançados e com o mais espaçoso compartimento de armas entre os aviões de sua classe”, declarou, acrescentando que “internamente podem ser transportados até cinco mísseis ar-ar de diversos alcances, além de outras armas”. A carga de armamentos pode chegar a 7.400 kg, e o alcance sem tanques adicionais é estimado em 2.900 km.

O “Checkmate” á uma plataforma aérea inteligente, e graças à arquitetura aberta pode ser otimizado para exigências específicas do usuário e deter um elevado potencial para futuras modernizações. Segundo Chemezov, trata-se de “um avião leve capaz de cumprir a maior parte das tarefas de combate com custos mínimos”. O moderno equipamento embarcado atende aos cenários de combate aéreo e de ataque e alvos na superfície; o avião emprega um radar AESA, que permite o cumprimento dessas missões mesmo em condições de forte interferência. Em paralelo, o sistema de autodefesa lhe permite evitar detecção e as ameaças. “O “Checkmate” pode empregar uma grande diversidade de armas para engajar alvos aéreos, terrestres ou navais, incluindo aqueles dotados dos mais avançados meios de defesa aérea” acrescentou Chemezov. Está em desenvolvimento uma variante não tripulada do “Checkmate”, que poderia ser empregada em combate junto com a versão convencional, disse o CEO da Rostec.





A apresentação do “Checkmate” ao presidente da Rússia, Vladimir Putin, aconteceu no dia 20, sendo seguida da mostra para uma enorme sequência de delegações estrangeiras — incluindo várias do Oriente Médio, da região da Ásia-Pacífico e da América Latina —, transformando o pavilhão “Checkmate” no mais movimentado do MAKS-2021. Chemezov também mencionou o sistema de pós-venda Matryoshka, que permite “organizar o treinamento de pessoal, planejar a manutenção com alta precisão e entregar peças de reposição em tempo hábil”. Segundo ele, “essa solução reduzirá o custo de serviços no pós-venda, aumentando sua eficiência e assegurando um elevado nível de prontidão da frota para o lcombate, mesmo durante períodos em que seja alta a intensidade de voos”. O “Checkmate” foi aberto para que jornalistas e especialistas pudessem checar os conceitos futurísticos de materiais compósitos, glass cockpit e empuxo vetorado.

A Sukhoi está otimista quanto às possibilidades do “Checkmate”. Assegura que o avião se transformará numa espécie de sucessor ao MiG-21 no que se refere a quantidade em operação. Como se sabe, o MiG-21, apelidado de “Fishbed” pela OTAN, tornou-se o jato de combate mais produzido, com 14.000 exemplares sendo entregues à URSS, Tchecoslováquia, Índia e China, entre outros países, no período de 1959-2012.

De acordo com Alexandr Mikheev, CEO da Rosoboronexport, diversos parceiros internacionais demonstraram interesse no novo avião tático leve. Destacou que diversos clientes em potencial viram a aeronave e até mesmo sentaram em seu cockpit. Salientou que a Rosoboronexport aproveitou o MAKS-2021 para “assinar 13 contratos de exportação de material militar russo, no valor de mais de um bilhão de Euros”. Mikheev disse que em 2021 a empresa já assinou contratos no valor de cinco bilhões de dólares, sendo que 80% deles se referem a material aeronáutico.

Os produtos mais vendidos incluíram os caças Su-30SME, os helicópteros Mi-35M e Mi-17V5, o radar Protivnik-GE e o sistema de mísseis antiaéreos portáteis Verba, além de moderno armamento aéreo e, também, viaturas blindadas. Talvez o “Checkmate” possa repetir a história de sucesso do “Fishbed”, em um nível diferente. A mídia local mencionou que o preço estimado de um “Checkmate” deve oscilar na faixa de US$25-30 milhões, bem inferior ao de seus competidores. Segundo Yury Borisov, Vice-Primeiro Ministro encarregado da indústria de defesa, o “cliente âncora” do “Checkmate” já foi definido.

Fotos: Yuri Laskin

Nenhum comentário:

Postar um comentário