09 maio 2021

O F-35 é agora a segunda maior frota de caças da Força Aérea dos EUA

F-35A Lightning II Joint Strike Fighters da USAF

A frota de F-35A é agora a segunda maior no inventário da Força Aérea dos EUA, atrás do F-16, ultrapassando os F-15s e A-10s.

Existem agora 283 Joint Strike Fighters no arsenal da USAF, em comparação com 281 A-10s, 234 F-15C/Ds e 218 F-15Es. O Chefe do Estado-Maior da USAF, general Charles Q. Brown Jr., disse ao subcomitê de defesa de Dotações da Câmara em 7 de maio que o F-35 atingiu o marco na semana passada.

A USAF planeja comprar 1.763 aeronaves F-35, e o número de jatos vem crescendo em bases no interior dos Estados Unidos e no Alasca. Espera-se que os jatos comecem a chegar à primeira base da USAF no exterior – RAF Lakenheath, Reino Unido – ainda este ano.

Brown disse aos legisladores que o serviço ainda está realizando um estudo dos requisitos táticos da aviação para determinar a combinação certa de caças de quinta geração e antigos.

“A intenção aqui é dar uma olhada no portfólio de caças que temos hoje com as sete frotas de caças diferentes e qual é a melhor capacidade de missão à medida que avançamos para o futuro”, disse Brown. “Precisamos ter uma variedade de caças para fazer tanto o high-end quanto o low-end.”

O F-35 é o caça de “ponta” da Força e, uma vez que a Força não tem o complemento total da aeronave, ela precisa equilibrar a forma como é usado.

“A intenção aqui é estudar uma gama de opções de qual deve ser a combinação certa ao analisarmos a ameaça para o futuro. Isso é parte do que o estudo vai fornecer”, disse Brown. “Portanto, não estará lá para nos dar uma resposta – nos dará uma gama de respostas para estudarmos a ameaça para ter certeza de que fizemos a análise para nos informar, mas também para informar nossos principais interessados.”

O F-35 está sob intenso escrutínio de legisladores recentemente. O presidente do Comitê de Serviços Armados da Câmara, deputado Adam Smith (D-Washington), chamou o Joint Strike Fighter de um “buraco de rato” durante um evento virtual de março com a Brookings Institution, sugerindo que os líderes do DOD devem considerar cortar a compra geral. Por anos, o Congresso comprou mais F-35s do que o Departamento de Defesa solicitou em seus orçamentos, fazendo com que o presidente da subcomissão de preparação do HASC, o deputado John Garamendi (D-Califórnia), citasse “enorme preocupação” com a sustentação do caça F-35, dizendo que o Congresso pode cortar de volta às compras do jato para permitir que o trabalho de sustentação os alcançasse.

FONTE: Air Force Magazine, via Poder Aéreo

Nenhum comentário:

Postar um comentário