23 janeiro 2021

Força Aérea dos EUA pode comprar caças F-16 novamente

F-16V em configuração de defesa aérea

A Força Aérea dos Estados Unidos está considerando seriamente a encomenda de mais caças F-16, mais de 42 anos após a Força ter recebido seu primeiro “Fighting Falcon”. A USAF, que uma vez jurou que nunca mais compraria um caça não furtivo novamente, parece ter mudado de ideia. O custo extremo de caças furtivos como o F-35 provavelmente tem algo a ver com isso.

De acordo com a Aviation Week & Space Technology, a USAF está revisando seus requisitos aéreos táticos para a década de 2020 e está pensando seriamente na compra de mais F-16s. A Força Aérea atualmente voa mais de 900 F-16s, incluindo 783 F-16Cs monoposto e 151 F-16Ds. A idade média da frota de F-16C, segundo a Air Force Magazine, é de 28,7 anos.

A General Dynamics originalmente projetou o F-16 para ser um caça multifunção ágil, leve e barato, destinado a equilibrar o mais capaz – e mais caro – F-15 Eagle.

Os primeiros F-16 carregavam apenas dois mísseis ar-ar Sidewinder de curto alcance e 4,6 toneladas de bombas e mísseis em pontos duros externos. A General Dynamics e a Lockheed Martin eventualmente construíram mais de 4.500 Fighting Falcons, e 25 países, incluindo Turquia, Noruega e Iraque, finalmente adotaram o avião.

Com o passar dos anos, o F-16 evoluiu para ganhar um radar AESA (Active Electronic Scanned Array), mísseis guiados por radar AMRAAM de longo alcance e tanques de combustível conformais com a fuselagem. A USAF não comprou um novo F-16 desde o início de 2000, e a maioria das novas atualizações foram impulsionadas por pedidos de exportação para países como Israel e Coreia do Sul.

F-16V em configuração de ataque

A versão mais recente, conhecida como F-16 Block 70/72 ou F-16V, incorpora o novo radar APG-83 AESA, busca e rastreamento por infravermelho (IRST), um novo computador de controle de voo e o novo Sistema Automático de Prevenção de Colisão no Solo (Auto GCAS), que evita que o avião se choque com o solo se o piloto ficar inconsciente ou desorientado.

A frota de F-16 da USAF deveria originalmente ser substituída pelo F-35A Joint Strike Fighter, e a Força nunca pretendeu comprar um caça não furtivo novamente. Infelizmente, o custo do F-35A de US$ 110 milhões por avião, embora diminua gradualmente, ainda está longe dos US$ 50 milhões originalmente prometidos.

Além disso, como a Força Aérea compra esses novos F-35s, também deve pagar para voá-los – e isso não é barato. Cada F-35 custa impressionantes US$ 44.000 por hora para voar. Isso se traduz em um investimento de US$ 44 milhões para cada 1.000 horas de voo, ou pouco menos de um terço do custo do avião em si.

O F-35 deveria ser o F-16 de seu tempo, mas parece que o F-16 poderá mais uma vez repetir seu papel como um caça de baixo custo – mais de 40 anos depois de entrar em serviço.

FONTE: Popular Mechanics, via Poder Aéreo

Nenhum comentário:

Postar um comentário