CASNAV assina contrato de serviços técnicos com Fundação Ezute em projeto do Submarino Riachuelo

Submarino Riachuelo. Foto: Marinha do Brasil

Por Elaine Watoniki

O Centro de Análises de Sistemas Navais (CASNAV) assinou, em 25 de junho, contrato com a Fundação para a realização de serviços técnicos especializados em apoio à Fase de Planejamento da Avaliação Operacional do Submarino Classe "Riachuelo" (PAOS), envolvendo o Sistema de Combate (SC).

A contratação da Fundação foi realizada em razão do know how adquirido na Transferência de Tecnologia e de Conhecimento (ToT e ToK – Transfer of Tecnology e Transfer of Knowledge) dos pacotes de engenharia do Sistema de Combate do Submarino Classe "Riachuelo", proporcionado pela Naval Group desde 2011.

A Avaliação Operacional (AO) é uma das etapas do processo de obtenção de meios, que ocorre após a aceitação contratual do primeiro exemplar da classe. Contempla cinco etapas:

  • Fase 1 - Definição do Problema;
  • Fase 2 - Planejamento;
  • Fase 3 - Execução;
  • Fase 4 - Apresentação dos Resultados; e
  • Fase 5 - Projeto de Exercícios Operativos.

No presente momento, o projeto encontra-se na Fase 2 (atual contratada), que é composta por uma série de passos e atividades de natureza eminentemente técnica para traduzir as capacidades operacionais requeridas em Medidas de Eficácia Operacionais (MEO). Nesta Fase é definido o plano de avaliação multidisciplinar que envolve a análise das tarefas, ameaças e cenários; estudos de descrição dos sistemas embarcados no Submarino da Classe "Riachuelo"; estruturação do plano de avaliação; bem como a descrição dos procedimentos dos experimentos (Testes Exploratórios) e os planos de análise a serem contemplados na Fase 3.

Estes testes deverão ser conduzidos em condições de operação do sistema da forma mais real possível, visando à coleta de dados de interesse para a avaliação do desempenho do submarino. Também serão identificados aspectos da Avaliação Operacional do S-BR que poderão fornecer subsídios para o projeto do Submarino com Propulsão Nuclear (SN-BR), especialmente no que diz respeito à verificação dos recursos de gravação e de extração de dados existentes do S-BR e sua pertinência para o refinamento do projeto do SN-BR.

Já a Fase 3 compreende a condução dos experimentos, idealizados na Fase de Planejamento, com o sistema operando em condições o mais próximo possível da realidade, além da realização das simulações previstas.

O propósito da Fase 4 é analisar os dados obtidos durante a realização dos experimentos na Fase 3 e fazer chegar às mãos das organizações dos Setores Operativo e de Material todos os resultados alcançados no processo da Avaliação Operacional.

A Fase 5 do S-BR consiste na elaboração de uma Coletânea de Projetos de Exercícios Operativos que serão utilizados para acompanhar, continuamente, o desempenho operacional do submarino ao longo da etapa de operação do ciclo de vida.

"A Fundação Ezute se sente honrada em contribuir para a construção da Fase de Planejamento da Avaliação Operacional, possibilitando a aplicação e a multiplicação dos conhecimentos adquiridos no sistema de combate do Submarino Classe "Riachuelo" na MB e na própria Fundação", comenta Delfim Miyamaru, diretor presidente da Fundação Ezute.

FONTE: Fundação Ezute

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DESTAQUE

Caça Gripen é oficialmente apresentado no Brasil

O Gripen E, denominado F-39E Gripen pela Força Aérea Brasileira (FAB), foi apresentado oficialmente hoje, 23 de outubro, durante o evento em...