Primeiras unidades do F 39 Gripen vão chegar no ano que vem na Base Aérea de Anápolis

F-39 Gripen #4100 - Foto: Stefan Jerrevång/TT

De Claudius Brito

O comandante da Ala 2 (Base Aérea de Anápolis), coronel aviador Gustavo Pestana Garcez, confirmou o calendário de chegada dos primeiros caças F-39 Gripen, fabricados pela SAAB, da Suécia, para a Força Aérea Brasileira. A previsão é que as quatro primeiras unidades, de um total de 36 aeronaves adquiridas pelo governo brasileiro, cheguem na unidade militar entre os meses de setembro e outubro de 2021. Um pouco antes, no mês de abril, a Ala 2 também receberá modernos simuladores de voos. Após a chegada desse primeiro lote caças, virão mais oito no ano seguinte e, a partir daí, mais seis a cada ano até completar a frota.

KC-390 Millennium - Foto: Divulgação/Embraer

Para este ano, está prevista a chegada de mais duas aeronaves KC-390 Millennium, fabricados pela Embraer, somando-se às três já incorporadas, de um total de 28 aeronaves que foram adquiridas pela Força Aérea Brasileira.

As informações foram repassadas pelo comandante da Ala 2 na noite da última quarta-feira, 11/03, durante a reunião da Associação Comercial e Industrial de Anápolis (ACIA). Na ocasião, o coronel aviador Pestana falou também sobre os preparativos que estão sendo feitos para a unidade abrigar as novas aeronaves e os seus respectivos esquadrões. Segundo ele, são mais de 10 obras físicas, entre construção e ampliação de hangares e hangaretes; construção de prédio para o 1º Grupo de Defesa Aérea (grupamento do F-39 Gripen); iluminação do pátio e ampliação da capacidade energética que, nos próximos anos, deverá ser quintuplicada.

O comandante da Ala 2 informou que a unidade já recebeu investimentos da ordem de R$ 70 milhões para obras realizadas e em andamento e, ainda, há previsão de mais R$ 60 milhões, totalizando R$ 130 milhões. O efetivo atual, que é de aproximadamente 1,8 mil, entre militares, civis e contratados, deverá saltar para mais de 3 mil.

Para o coronel aviador Pestana, o impacto das transformações na Ala não se restringe apenas aos investimentos e aumento das instalações físicas e quantitativo de pessoal, mas um ponto significativo, afirmou, é o ganho qualitativo, tendo em vista que a unidade está recebendo duas aeronaves – o KC-390 Millennium e o F-39 Gripen – com tecnologia embarcada de ponta, demandando, portanto, uma estrutura operacional e de pessoal também qualificada. Em razão disso, destacou, é importante a parceria que está sendo entabulada com o ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica) e com outras instituições, como já acontece em Anápolis, por exemplo, com a UniEVANGÉLICA.
“A Ala 2 tem uma relação com Anápolis que perdura ao longo da história e esteve sempre na vanguarda da defesa aérea do País. Criou-se uma cultura organizacional onde a Base Aérea e Anápolis crescem juntos”, assinalou o comandante.

Histórico


Anápolis foi escolhida para sediar a unidade militar responsável em zelar pela soberania aérea do Planalto Central em 1969. Em 1970, o governo da época escolheu o Mirage III. Em 1972, foi instalada a 1ª Ala de Defesa Aérea (Alada), transformada em 1º Grupo de Defesa Aérea (GDA) no ano de 1979.

Embraer R-99 - Foto: Wikimedia

No ano 2000 foi criado o 2º/6º Grupo de Aviação (GAV), e, dois anos após, a Base Aérea recebeu as modernas aeronaves R-99, da Embraer, então, para integrar o projeto do Sistema de Vigilância da Amazônia (Sivam). Em 2013, os caças Mirage 2000, foram “aposentados”. A partir daí, o governo brasileiro deu início ao projeto FX, para a renovação da frota de caça, que resultou na compra dos 36 Gripen fabricados pela SAAB, da Suécia. A partir de 2017, com a restruturação da Aeronáutica, a Base Aérea de Anápolis, assim como as demais bases aéreas da FAB mudaram de denominação, passando a se chamar Ala. Anápolis é a Ala 2 e Brasília sedia a Ala 1.

ITA


Ainda durante a reunião de quarta-feira na ACIA, houve a participação do pró-reitor de graduação do ITA, Pedro Teixeira Lacava e do coordenador executivo do curso de mestrado profissional em segurança de aviação e aeronavegabilidade continuada, que deverá ser trazido para Anápolis, a partir de um trabalho feito pela ACIA e pelo COMDEFESA, cujas tratativas vêm se desenvolvendo desde o ano passado.

O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Anastácios Apostolos Dagios, também presidente do COMDEFESA, destaca que a implantação desse mestrado do ITA casa com as demandas da Ala 2 para o acolhimento das novas aeronaves, bem como ao projeto do Centro de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia de Anápolis (Ceitec), que deverá ser implantado em parte do complexo do antigo Clube Ipiranga. A iniciativa, desenvolvida pela Prefeitura, visa criar um espaço para abrigar startups, incubadoras de empresas, coworking, dentre outras estruturas para fomentar inovação e tecnologia para o setor produtivo local. E, neste contexto, o curso do ITA seria uma espécie de âncora para o projeto.

O presidente da ACIA, Álvaro Otávio Dantas Maia ressaltou que a reunião com o comando da Ala 2 e a representação do ITA foi muito produtiva, apontando boas perspectivas de desenvolvimento para o Município e, em especial, para o setor produtivo, que deve ser alavancado.

FONTE: Contexto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DESTAQUE

Terceira aeronave KC-390 Millennium é incorporada à frota da FAB

Aeronave de matrícula FAB 2855 pousou neste sábado (27/06), na Ala 2, em Anápolis (GO) A Força Aérea Brasileira (FAB) recebeu, neste...