Depois de US$ 2 bilhões de gastos no programa DMS-M, os B-2s receberão apenas um novo display no cockpit

Bombardeiro stealth B-2 Spirit em seu primeiro voo público em 1989 - Foto: USAF

A Bloomberg noticiou que o Pentágono decidiu não prosseguir com o programa B-2 Defensive Management System Modernization (B-2 DMS-M) depois de gastar US$ 2 bilhões nele.

O projeto para tornar os aviões da década de 1990 mais capazes de enfrentar as melhorias nas defesas aéreas da China, Rússia e Irã estava atrasado quase três anos, e seu custo projetado subiu de US$ 285 milhões para US$ 3 bilhões no ano passado, de acordo com a USAF.

Em vez de uma atualização abrangente – e secreta – que melhoraria os componentes eletrônicos defensivos do bombardeiro para detectar e iludir o radar terrestre, alertar os pilotos, atualizar os displays e melhorar a capacidade da aeronave de redirecionar sua trajetória de voo, a Força Aérea atualizará a tela do cockpit que é “necessária para substituir os displays insustentáveis de tubos de raios catódicos”, disse Will Roper, o principal comprador de armas do serviço, a um painel dos Serviços Armados da Câmara na semana passada.

Diz-se que a Northrop Grumman não conseguiu fornecer desenvolvedores de software qualificados para trabalhar no programa no momento certo para executar a modernização.

FONTE: Poder Aéreo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DESTAQUE

Primeiro caça Gripen da FAB já está a caminho do Brasil

Primeiro Gripen E da Força Aérea Brasileira – Foto: Saab O primeiro caça F-39 Gripen E brasileiro já deixou a Suécia a bordo de um navio mer...