Marinha Russa receberá novo míssil antissubmarino

Infográfico mostra como vai funcionar o novo míssil antissubmarino russo

O jornal russo Izvestia informou que a Marinha da Rússia receberá um novo míssil guiado antissubmarino conhecido como PLUR. A arma possibilitará a navios de guerra a destruição de submarinos a distâncias de dezenas de quilômetros.

O modo de funcionamento do PLUR é bastante simples: um avião de patrulha ou helicóptero encontra um submarino e emite uma designação de alvo em tempo real. Lançado do navio para a área especificada, o míssil guiado é lançado e libera um torpedo que destrói o alvo.

A novidade está em alto grau de prontidão, disseram fontes do Alto Comando da Marinha ao Izvestia. O moderno míssil antissubmarino é colocado em um contêiner universal de transporte e lançamento (TPK) de lançamento vertical. Existem dois módulos – o de lançamento e o de controle de combate, assim como a fonte de energia e vários sistemas auxiliares.

Na cabeça do míssil há um pequeno torpedo. Uma vez alcançado a área determinada, o torpedo é separado do míssil e, em seguida, encontra e atinge o submarino de forma independente.

Mísseis antissubmarino são a arma mais perigosa para submarinos, segundo o ex-chefe do Estado-Maior da Marinha, almirante Valentin Selivanov.

“Modernos mísseis antissubmarinos têm duas vantagens principais – longo alcance e alta eficiência”, disse ele ao Izvestia. A garantia de destruição de um submarino inimigo por este tipo de arma excede 90%. Apenas o mau funcionamento técnico da munição ou o erro da tripulação do navio que determinou incorretamente a área onde o inimigo está localizado pode salvar o submarino da morte iminente. Mas naqueles exercícios de treinamento que eu participei, nossos marinheiros não permitiram tais negligências.”

As bombas de profundidade não são precisas. Torpedos antissubmarino têm aproximadamente a mesma taxa de eficácia de acertar um alvo que o PLUR, mas eles têm um raio de ação muito menor, observou o especialista.

O novo míssil antissubmarino deverá equipar fragatas como a Fragata Almirante Gorshkov

Ao desenvolver um novo míssil, os últimos avanços tecnológicos foram utilizados. O layout do contêiner permite equipar linhas costeiras, bases navais, navios de guerra e navios de várias classes, plataformas ferroviárias e rodoviárias com PLURs. A preparação do contêiner TPK para o lançamento leva uma questão de segundos, já que o contato com o submarino geralmente dura minutos, e o sistema em si é bastante simples de usar.

Mas ainda assim, os navios devem se tornar o principal portador do PLUR. O míssil guiado pode ser integrado em sistemas de controle automatizados (ACS) de navios de combate e até em formações navais mistas. Isso permite que você use aviões e helicópteros como batedores que localizam submarinos e atribuem a designação de alvos aos navios equipados com o novo armamento.

O conceito de mísseis antissubmarino surgiu no final da década de 1950, em conexão com o rápido desenvolvimento da frota de submarinos. A velocidade dos submarinos não apenas se igualou, mas até começou a exceder a dos navios de superfície. Isso dificultou o engajamento do alvo atacado.

Por essa razão, comandantes navais queriam obter armas que pudessem alcançar quase instantaneamente o submarino em um raio de vários quilômetros do navio. O primeiro armamento do tipo foi o RUR-5 ASROC (Anti-Submarine ROCket) desenvolvido pelos americanos em 1961. O alcance era limitado pelo raio do sonar da época e não excedia dez quilômetros.

Mais ou menos na mesma época, a marinha russa recebeu sistemas antissubmarino semelhantes. Em meados da década de 1980, a eficácia de tais sistemas havia aumentado acentuadamente. Nos últimos anos da existência da URSS, o complexo de mísseis e torpedos de Vodopad foi instalado em navios e submarinos, o que poderia confiantemente atingir os submarinos a uma distância visivelmente maior. Ao mesmo tempo, o papel dos aviões e helicópteros, que podiam procurar por submarinos e direcionar navios para eles, aumentou seriamente.

O primeiro ASROC americano era acondicionado e lançado de plataforma conteirável Mk.16 da foto acima. O ASROC atual emprega lançadores verticais VLS Mk.41, como visto no esquema abaixo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

DESTAQUE

Hungria assina contrato para aquisição de duas aeronaves multimissão KC-390 Millennium

Budapeste, Hungria, 17 de novembro de 2020 - O Governo Húngaro e a Embraer assinaram hoje um contrato para a aquisição de duas aeronaves de...