Força Aérea dos EUA vai testar caça autônomo contra piloto humano

Concepção de um caça autônomo baseado no F-35

Pesquisadores da Força Aérea dos EUA (USAF) estão projetando uma aeronave autônoma que pode derrubar um avião tripulado em combate ar-ar, com o objetivo de colocar os dois um contra o outro em julho de 2021.

O tenente-general Jack Shanahan, chefe do Centro Conjunto de Inteligência Artificial (IA) do Pentágono, disse que a equipe do Laboratório de Pesquisa da Força Aérea (AFRL) está forçando os limites do que os militares podem construir, em comparação com as aeronaves que já ocupam os esquadrões do serviço.

A equipe do AFRL lançou sua busca por um avião de caça não tripulado e dirigido por IA em 2018, com o objetivo de mostrar resultados em 18 meses. O Inside Defense relatou em maio de 2018 que o “big moonshot” primeiro inseria a tecnologia de aprendizado de máquina (machine learning) em um avião menos avançado, como um F-16, antes de experimentá-lo em um jato mais novo, como um F-35 ou F-22.

“Nossos pilotos humanos, os realmente bons, têm algumas milhares de horas de experiência”, disse Rogers ao Inside Defense. “O que acontece se eu puder aumentar a capacidade deles com um sistema que pode ter literalmente milhões de horas de tempo de treinamento? … Como posso me tornar um piloto automático tático para que, em um combate ar-ar, esse sistema possa ajudar a tomar decisões em uma linha do tempo em que os humanos nem sequer podem começar a pensar?”


Se o projeto funcionar, a invenção se juntará a outros sistemas habilitados para IA que a Força Aérea deseja adicionar ao seu inventário. O conceito de drone wingman Skyborg é talvez o perfil mais alto desses programas, embora a Força Aérea esteja pressionando para adicionar algoritmos de IA e aprendizado de máquina a tudo, desde práticas de manutenção a softwares de planejamento de batalhas.

O projeto do AFRL reflete o debate revivido no início deste ano sobre se um caça autônomo poderia desafiar com êxito um humano na cabine de pilotagem, desencadeado pelos comentários do empresário bilionário Elon Musk em uma conferência da Associação da Força Aérea em fevereiro.

“O concorrente do F-35 deve ser um avião de combate controlado remotamento por um humano, mas com suas manobras aumentadas pela autonomia”, twittou Musk. “O F-35 não teria chance contra isso.”

Mas enquanto o trabalho de IA do Pentágono está ganhando força, Shanahan alertou que nem tudo o que acontece com a tecnologia futurista é uma história de sucesso. Os militares devem adotar as lições que a indústria automobilística aprendeu, disse ele – e seguir seus alertas.

“Não há veículo totalmente autônomo de nível quatro nas ruas hoje”, disse ele, apesar de várias empresas investirem bilhões de dólares na ideia. “Por outro lado, é uma década de experiência que deveríamos atrair para os militares, porque eles aprenderam muito”.


FONTE: Air Force Magazine via Poder Aéreo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DESTAQUE

Terceira aeronave KC-390 Millennium é incorporada à frota da FAB

Aeronave de matrícula FAB 2855 pousou neste sábado (27/06), na Ala 2, em Anápolis (GO) A Força Aérea Brasileira (FAB) recebeu, neste...