F-35: Upgrades do Bloco 4 aumentam o custo do programa

Caças F-35A da USAF

O custo total do programa F-35 cresceu US$ 25 bilhões em 2018 – ou cerca de US$ 95 bilhões ao se ajustar à inflação – em parte devido a uma nova lista de melhorias conhecida como Bloco 4, informou o Pentágono em um relatório de aquisição publicado em 1 de agosto.

Somente a aquisição – incluindo pesquisa e desenvolvimento, compras e custos de construção militar – aumentou US$ 15,3 bilhões em comparação com a linha de base de 2012, ou US$ 22,2 bilhões, quando ajustado pela inflação.


O Pentágono também notou uma discrepância entre sua avaliação de custo e a avaliação do programa, que acredita que as operações e os custos de manutenção do Joint Strike Fighter estão subindo, e o Escritório do Programa Conjunto F-35 (JPO), que argumenta que esses custos estão diminuindo.

Os custos vitalícios para toda a frota de F-35s operados nos EUA abrangem projeto e desenvolvimento, compra de jatos, reparos, peças de reposição, modificações, atualizações, operações, construção militar e inflação ao longo de um período de 53 anos. A Força Aérea voa o F-35A; o Corpo de Fuzileiros Navais, a variante B; e a Marinha a variante C.

As atualizações do Bloco 4 no desenvolvimento modificarão muitos jatos existentes com novos sistemas e armas, e serão posteriormente adicionados à linha de produção à medida que novos recursos forem necessários para combater novas ameaças. Os custos gerais de desenvolvimento, que aumentaram em US$ 10,5 bilhões em comparação com a linha de base de 2012, incluem o preço do Bloco 4, modificação dos F-35s para transportar armas nucleares, os custos crescentes do Sistema Autônomo de Informações Logísticas (ALIS) e maiores despesas associadas à disponibilidade. Quando ajustados pela inflação, os custos de desenvolvimento cresceram US$ 12,4 bilhões.

Os custos de produção também subiram. A métrica de custo mais básica do F-35, conhecida como custo “flyaway” recorrente da unidade que cobre a aeronave e o motor, aumentou US$ 2,1 milhões por avião para o F-35A, US$ 2,8 milhões para o F-35B e US $ 900.000 para o modelo C. Esses números refletem os custos incorridos durante a produção antes do lote 11 em andamento, disse o Pentágono, após o qual o preço unitário deverá diminuir.

No entanto, para fins de sustentação, os estimadores independentes de custo do Pentágono se separaram do JPO – refletindo divergências expressas em audiências no começo do ano. O escritório do CAPE estima que as operações e a sustentação (O&S – Operations and Sustainment) aumentaram em US$ 9,7 bilhões (ou US$ 12 bilhões ao incluir a inflação), mas o JPO disse que as O&S diminuíram em US$ 23,1 bilhões (ou US$ 8,5 bilhões ao incluir a inflação).

A estimativa O&S do escritório do programa caiu quase 4% do ano fiscal de 2017 para 2018, seguindo a orientação do Gabinete do Secretário de Defesa. Isso determina que as estimativas devem levar em conta a inflação, as últimas quedas, os custos recentes do trabalho e as mudanças relacionadas à manutenção.

O custo por hora voada caiu 2,3% para o F-35A, 1,8% para o F-35B e 5,3% para o F-35C – a aeronave mais atualizada nos EUA. Os custos dos F-35A e F-35B caíram com base na orientação do OSD, enquanto o custo por hora de voo do F-35C caiu por causa das mudanças para a estimativa de custo de propulsão.

FONTE: Air Force Magazine via Poder Aéreo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DESTAQUE

Marinha do Brasil adquire novas viaturas para o Corpo de Fuzileiros Navais

A Marinha do Brasil formalizou a compra de 90 caminhões UNIMOG 5000 A Marinha do Brasil (MB) formalizou, no dia 24 de novembro, a compr...