Publicidade

18 abril 2022

Exército aprova os requisitos do futuro obuseiro sobre rodas


Por Paulo Roberto Bastos Jr.

O Estado-Maior do Exército (EME) publicou as portarias EME/C Ex Nºs 685 e 686 que aprova os requisitos operacionais (RO) e os requisitos técnicos, logísticos e industriais (RTLI), respectivamente, da viatura blindada de combate obus autopropulsado 155 mm sobre rodas (VBCOAP 155 SR) do Subsistema Linha de Fogo do Sistema de Artilharia de Campanha, os EB20-RO-04.021 e EB20-RTLI-04.010.

Como informado anteriormente, estas portarias estavam programadas para serem publicadas em fevereiro deste ano, porém, devido a atrasos em projetos já em andamento no Exército, foram postergadas.

Este programa começou com a aprovação da diretriz de iniciação do projeto VBCOAP 155 mm SR e a criação da equipe para a realização do estudo de viabilidade do projeto (EB20-D-04.005), publicada na portaria Nº 427-EME/C Ex, visando à obtenção de um total de até 36 unidades deste sistema de artilharia.

O CAESAR 6X6 Mark II de nova geração (NG), da Nexter, cujo programa foi anunciado recentemente, é um dos candidatos cotados para este programa …

Os principais pontos apresentados nestes requisitos são:
  • Possuir como armamento principal obuseiro de calibre 155 mm (padrão OTAN), comprimento igual ou superior a 52 calibres, com alcance igual ou superior a 20 km, utilizando munição convencional, e a 30 km, com munição assistida;
  • Possuir capacidade de atingir alvos com precisão de área (“circular error probable” – CEP) menor que 80, para disparos de 20 km, e 120 metros, para 30 km;
  • Deve ter capacidade de entrar em posição e realizar o disparo em menos de três minutos e sustentar uma cadência de tiro contínua de, pelo menos, quatro tiros por minuto (TPM);
  • Possuir sistema de pontaria em direção e alcance, com capacidade de ser utilizado tanto para o tiro direto como para o tiro indireto e de realizar de tiros diretos à noite;
  • Possuir autonomia, em estrada pavimentada, superior a 500 km sem utilização de reservatórios complementares;
  • Possuir capacidade de conduzir e abrigar toda guarnição, equipada e armada, durante
  • os deslocamentos;
  • Possuir tração em todas as rodas, facilitando trafegar em todo tipo de terreno, e sistema de direção, freios e amortecimento adequados para atingir a velocidade máxima de 70 km/h em estradas pavimentadas, com dispositivo montado em todas as rodas, que permita seu deslocamento em condições de segurança, mesmo quando os pneus forem perfurados;
  • Possuir condições de serem embarcados nas balsas chatas orgânicas utilizadas atualmente, navios orgânicos da Marinha do Brasil e por meios rodoferroviários disponíveis no território nacional;
  • Possuir blindagem básica que ofereça proteção para o compartimento habitado à penetração de projéteis de calibres 7,62 x 51 mm;
  • Possuir radar de medição instantânea da velocidade inicial e condições de receber dispositivo de pontaria automático e independente para cada peça, dotado de busca de norte verdadeiro e um meio alternativo de inserção manual, em caso de falha da transmissão de dados, sistemas de navegação inercial e de posicionamento global por satélite (GPS ou equivalente), integrados a equipamentos capazes de fornecer dados, por rede sem fio, da posição e condições da peça;

Após a definição do modelo a ser adotado como viatura blindada de Cavalaria (VBC Cav), o projeto VBCOAP 155 SR deverá ser uma das prioridades do Exército, pois é fundamental para a operacionalização completa das Brigadas Mecanizadas.

… assim como o ATMOS da Elbit. O modelo da foto, utilizando um chassi Rheinmetall 6×6, foi recentemente incorporado ao Exército das Filipinas (Imagem: Elbit Systems)

Nenhum comentário:

Postar um comentário